quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Manifestação defende Hospital Clementino Fraga Filho/UFRJ


Por Ana Freitas

Na manhã desta terça-feira (29/10/2013), médicos e demais funcionários do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) realizaram um ato público para defender a unidade, que há tempos vem enfrentando sérias dificuldades. A manifestação contou com a participação de médicos residentes, alunos e professores da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, além de pacientes do hospital. O presidente do SinMed/RJ, Jorge Darze, e o diretor, Júlio Noronha, prestigiaram o ato, assim como o presidente do Cremerj, Sidnei Ferreira, e o presidente da Associação de Movimentos dos Renais Vivos e Transplantados do Estado do Rio de Janeiro (Amorvit-RJ), Roque Pereira, que foi acompanhado por doentes crônicos.


Os profissionais de saúde querem que o hospital retome a realização de transplantes renais, hepáticos, de medula óssea, pulmonar e cardíaco, entre outros, e a reabertura imediata da Emergência e dos postos e leitos das unidades intensivas. Defendem ainda o retorno da capacidade total de funcionamento da unidade, que hoje atinge apenas 25% do seu potencial para internações e cirurgias. Dos 615 leitos que possuía, menos de 200 estão hoje em funcionamento.

Os médicos do HUCFF elaboraram e leram um documento que denuncia a crise enfrentada pela instituição, considerada sem precedentes (clique aqui para ver o documento). Eles solicitam à reitoria da UFRJ, a quem o hospital está vinculado, bem como aos Ministérios da Educação e da Saúde, a recuperação da estrutura física, a reposição e renovação dos equipamentos danificados e de pessoal, a convocação dos aprovados no último concurso e a realização de novo concurso para suprir o déficit de profissionais.

SinMed/RJ e Cremerj unidos contra a EBSERH

Nesta quinta-feira (31/10/2013), representantes do SinMed/RJ e Cremerj estarão reunidos para elaborar estratégias de luta conjunta contra a EBSERH e para defender os hospitais universitários e federais do Rio de Janeiro, que estão sendo prejudicados pela empresa.

“Essa crise é intencional, pois o governo quer entregar os hospitais universitários para a EBSERH. Além da falta de profissionais e insumos, vários equipamentos estão guardados em caixas, aguardando instalações para o seu uso. Essa situação é criminosa”, destacou o presidente do SinMed/RJ.

“Embora o Hospital Clementino Fraga Filho possua 150 mil prontuários ativos, apenas cerca de 1500 doentes são atendidos hoje em ambulatório. É importante destacar que a unidade carece de aproximadamente 800 médicos, além de profissionais técnicos, para que possa recuperar a sua capacidade plena de funcionamento, garantindo a formação dos alunos do curso de Medicina, da Residência Médica, dos pós-graduandos de Medicina e a realização de trabalhos científicos”, salientou Júlio Noronha.

O presidente do Cremerj afirmou que o Conselho se fez presente na manifestação para defender a unidade e não permitir o seu fechamento.

Fotos: Claudionor Santana 

*Retirado do SINMED/RJ

Um comentário:

  1. lindalvapinheiro@uol.com.br8 de maio de 2014 23:04

    Lamentável que não apenas este, mas também outros hospitais públicos sofram por falta de médicos, enfermeiros, técnicos e materiais para o atendimento adequado à população.

    ResponderExcluir